Entrevista com Amanda Barnes

Entrevista com Amanda Barnes

Amanda Barnes é uma escritora premiada especializada em vinhos da América do Sul. Ela é autora do South America Wine Guide & Around The World in 80 Harvests. Amanda escreve para revistas e jornais internacionais, incluindo a Decanter Magazine, além de ser colaboradora do livro World Atlas of Wine, de Jancis Robinson e Hugh Johnson. Atualmente Barnes estuda para se tornar Master of Wine.

O Pablo Fernandez conversou com a Amanda sobre sua rotina de estudos e desafios da jornada. Saiba mais na entrevista abaixo.

Como está sua preparação para o programa Master of Wine? Quais estratégias de estudo específicas você aplicou para melhorar sua eficiência e retenção de conhecimento?

É uma preparação muito intensa que você precisa para o MW – tanto na degustação quanto na teoria. A teoria envolve aprender todos os aspectos da indústria do vinho, desde a viticultura até a filosofia! Portanto, você realmente precisa aprender sobre as complexidades de cada área. Existem cinco provas: viticultura, vinificação, transporte e engarrafamento, e a quinta prova é bastante filosófica e focada em tópicos abertos (pode perguntar qualquer coisa!)

Depois, há a parte prática, que é toda sobre degustar vinhos às cegas. Então você tem que fazer muitas degustações, tanto às cegas quanto com os rótulos visíveis, para ter certeza de que conhece todos os vinhos do mundo e como identificá-los. E finalmente, há a teoria da degustação. Você precisa ser capaz de identificar qual é o vinho (que é a degustação), mas também precisa saber exatamente como ele é feito, as variedades de uva, a região, como é vendido, o valor que tem, o álcool/ácido/açúcar – tudo isso requer muito conhecimento teórico.

Para melhorar a minha retenção de conhecimento (que eu acho que é realmente a parte mais difícil), eu parei de beber por um mês antes do exame, acordava às 5 da manhã para estudar até cerca de 9 da noite, e usava muitos cartões de memorização… para ser bem honesto, é difícil lembrar o suficiente para as provas!

Considerando o conceito de metacognição (a consciência e compreensão dos processos de raciocínio de alguém – “pensar sobre o próprio pensamento”), como você reflete sobre seus processos de aprendizado ao se preparar para o exame de Master of Wine?

No começo, acho que estava tentando aprender de tudo, e então percebi que não se tratava de adicionar mais conhecimento, mas de fazer conexões entre o conhecimento que você já tem e extrapolar de maneira inteligente. Você tem que descobrir como gastar seu tempo da melhor maneira possível, e isso exige muita disciplina para se esforçar para realmente construir essas pontes entre as áreas de conhecimento em vez de apenas absorver novos conhecimentos.

Você já identificou o seu melhor ou preferido estilo ou técnica de aprendizado que tem se mostrado especialmente útil em sua jornada de estudo?

Eu tive que usar uma grande variedade de estilos de degustação, estilos de aprendizado e técnicas diferentes. Eu fiz muitos estudos independentes, tirando notas e organizando ideias, mas também tive um pequeno grupo de estudo onde discutíamos verbalmente o que aprendemos. Também fiz muitos ensaios práticos (todas as provas são em formato de ensaio), o que também é um elemento importante. Além disso, fiz recordações imediatas de conhecimento (com cartões de memorização). O objetivo principal do MW é que ele é multidisciplinar, então você realmente não pode se acomodar no que está aprendendo e na forma como está testando.

Como você equilibra a necessidade de aprofundar seu conhecimento sobre vinhos com o tempo disponível para estudar? Quais estratégias você adotou para otimizar seu aprendizado diante de um extenso conteúdo a ser assimilado?

Pensei constantemente nisso, mesmo quando não estava estudando. Qualquer conversa que eu estava tendo, eu pensava em como aquilo poderia estar relacionado a uma possível pergunta de exame, como aquela pergunta poderia aparecer e o que eu precisaria responder.

Para a degustação, por exemplo, qualquer sabor de comida que eu experimentava, eu tentava relacionar a um vinho e depois pensava em quais outros vinhos eram semelhantes.

É um pouco entediante, mas quando você está estudando para o MW, você realmente precisa usar toda sua energia extra pensando nisso. Há pouco tempo para relaxar!!

Quais são os principais desafios que você enfrenta durante o processo de estudo para o Master of Wine? E como você supera esses obstáculos para alcançar seus objetivos?

Tempo. E recursos. Não tenho certeza se realmente consegui superar ambos os obstáculos, e não sinto que tive o suficiente de ambos para ser honesta. Sempre poderia ter degustado mais vinhos, aprendido mais fatos, praticado mais ensaios… mas, no final das contas, sinto que sempre dei o meu melhor dentro das limitações e oportunidades que tive. Portanto, esteja eu aprovada ou não, me sinto satisfeita por ter dado o meu máximo.

Como você compara sua experiência na 1ª etapa com a 2ª etapa do programa Master of Wine? E como isso se compara à sua experiência anterior com o Diploma? Você precisou fazer algum ajuste em suas técnicas de estudo? Como sua abordagem mudou à medida que você avançou no programa?

 Eu odeio dizer isso, mas é totalmente diferente em termos de dificuldade… A 1ª etapa do MW é completamente diferente do Diploma, e a 2ª etapa é completamente diferente da 1ª etapa. Mas quando você está no processo, ele te leva junto. Só olhando para trás que você percebe o quanto avançou.

Não adianta se preocupar com isso antes de chegar lá, todos descobrem no seu próprio tempo.

E a abordagem é totalmente individual… todos que conheço tiveram uma abordagem diferente. O MW é muito uma jornada pessoal e um programa de autoaprendizado.

Assinatura Única Pablo Fernandez

Destaques

CX no mundo do vinho. Existe mesmo?
, ,

CX no mundo do vinho. Existe mesmo?

O CX no mundo do vinho. Veja como colocar o cliente no centro das estratégias transforma a experiência de degustação e fideliza consumidores.
Grécia: dos encantos da mitologia ao vinho
, ,

Grécia: dos encantos da mitologia ao vinho

Descubra como os vinhos gregos refletem a história e a cultura desse país fascinante, desde os deuses antigos até os modernos vinhedos.