Kemet: uma perspectiva decolonial e mais uma reflexão sobre o 20 de novembro

Kemet: uma perspectiva decolonial e mais uma reflexão sobre o 20 de novembro

Caros leitores e leitoras, abra uma garrafa de vinho bom, vamos conversar… 

À medida que celebramos a Consciência Negra neste novembro, quero lhes fazer um convite para embarcamos em uma jornada que transcende o tempo e nos leva aos recantos da antiga Kemet, de modo a revisitarmos os mistérios da vinificação enraizados não apenas em narrativas orais, mas também em evidências arqueológicas e rituais de comensalidade. Convite este que é claramente uma forma de trazer a vocês uma fala antirracista daquelas que seguem um roteiro para cumprir mais uma agenda pela aproximação do 20 de novembro, visto que quase só se fala em antirracismo no nosso país nessa época do ano.

É isso mesmo!

E vamos lá, não fiquem chocados, afinal de contas, aqui na Única nunca tivemos nenhum tipo de pudor com relação aos temas ou à forma como foram ou têm sido abordados. Algo que acredito inclusive ser o que tem tornado essa revista diferente do que já vimos por aí. Agora, voltemos à reflexão de hoje que não é sobre comida, mas que prometo a vocês terá o vinho e a comensalidade como ponto centrais com pitadas de reflexão e provocação…Coragem, eu os desafio a ficar até o final!

Vamos lá!

As histórias contadas por séculos encontram eco nas descobertas arqueológicas, onde ânforas marcadas pelo vinho apresentam aspectos tangíveis. Em um mergulho mais profundo, citações de estudiosos como a Dra. em egiptologia Sofia Fonseca, que tem estudado o vinho no Egito Antigo, revelam que esses vestígios não eram apenas recipientes, mas testemunhas de rituais sagrados que permeavam a vida em Kemet. 

Esfinge Egito

O Egito é um país africano e ainda que narrativas ecoem nas ânforas e túmulos de Kemet, essas considerações foram muitas vezes sutilmente eclipsadas pelos ecos de enredos eurocêntricos. A arqueologia revela a presença inegável da vinificação na vida cotidiana e cerimonial de Kemet, no entanto, essas descobertas, ao longo da história, foram subjugadas e relegadas a um segundo plano na narrativa global do vinho.

Imagine-se nas celebrações da época, onde o vinho não era apenas uma bebida, mas um elemento sagrado nos rituais de comensalidade, onde a comunhão se estendia além dos seres humanos, conectando-os aos deuses por meio da bebida. As inscrições em túmulos e templos, minuciosamente estudadas revelam que esses rituais transcendiam a simples refeição: eram atos de espiritualidade e conexão divina. Além disso, bem sabemos que o vinho desde sempre tem sido um elemento nas relações de sociabilidade, assim como tem relação com a cultura alimentar e história de um povo. 

Ao brindarmos pela experiência coletiva que o vinho representa, devemos questionar por que as narrativas afrodescendentes foram frequentemente relegadas às sombras, silenciadas em um banquete de história global. A pesquisa acadêmica ilumina, mas também revela a negligência persistente em reconhecer a contribuição negra para a herança vinífera.

Neste momento, convido-os a refletir sobre as narrativas que foram obscurecidas, os rituais que foram minimizados e os sabores e saberes que foram apagados. Desvendar os caminhos da vinificação em Kemet é também desafiar o apagamento cultural que, por muito tempo, deixou na penumbra as contribuições fundamentais da comunidade negra para a história do vinho, assim como até os dias atuais têm refletido os resquícios do racismo estrutural que segue invisibilizando profissionais negros e negras, tal como em contrapartida, promovem outros que atuam em um mercado que valida uma produção e comércio de vinhos ligados ao trabalho analago à escravidão, para além de outras questões que profissionais renomados da área, fingem não ver.

Convenhamos, sei que nem todos vocês chegaram até aqui e muitos torceram o nariz em alguns momentos caso aqui ainda estejam, mas assuntos difíceis também precisam ser discutidos para que soluções sejam encontradas. E mais, nem sempre precisamos solucionar apenas os assuntos que afetam diretamente as nossas vidas, não é mesmo?

Nesta jornada decolonial, é vital reconhecer a influência das diversas comunidades que compunham o Egito antigo. As narrativas sobre o vinho entrelaçam-se com as histórias dos povos núbios, levando-nos a uma compreensão mais rica e plural da herança enológica de Kemet. A perspectiva decolonial nos convida a romper com interpretações eurocêntricas, valorizando as vozes e visões que por muito tempo foram silenciadas.

Como única mulher negra colunista desta revista que tanto me permite uma escrita livre de tabus, aproveito este mês simbólico por sentir com frequência o peso da responsabilidade em dar voz a essas histórias e resgatá-las do esquecimento devolvendo-as ao centro de sua narrativa. 

Ao brindarmos à herança vinífera de Kemet, que este momento de celebração vá além da taça e alcance a reflexão. Que cada gole nos inspire não apenas a degustar o vinho, mas a saborear a diversidade de narrativas que enriquecem esse legado. Que, ao desvendar os caminhos da vinificação, possamos também iluminar os cantos esquecidos da história, celebrando a contribuição vital da cultura negra. Que cada taça seja um tributo não apenas ao passado, mas à resiliência e à riqueza que o presente e o futuro carregam. Brindemos à história que se revela a cada gole, uma ode à união de culturas e à vitalidade de nossas próprias jornadas. Às origens e aos destinos entrelaçados, celebremos!

Assinatura Vinhos Única Chef Aline Guedes

Destaques

Harmonizando vinho além da comida: quando a Syrah é em Si Menor
, ,

Harmonizando vinho além da comida: quando a Syrah é em Si Menor.

Explore combinações de diferentes estímulos, como vinho e música e amplifique sua apreciação e percepção, elevando seu prazer e entendimento.
Procura-se profissional do mundo dos vinhos
, ,

Procura-se profissional do mundo dos vinhos

Explore a jornada da transição de carreira em busca de um profissional de vinhos nesse apaixonante universo onde cada taça conta uma história.