Consumo Responsável. Um papel de todos nós.

Está aí um conceito amplo e, por muitas vezes, absolutamente vazio.

Qual será o nosso papel, como parte da indústria, comércio e educação do vinho, com relação ao consumo responsável?

Em janeiro o assunto bomba, especialmente na imprensa internacional, em razão do Dry January, um movimento que nasceu na Inglaterra e estimula um mês zero álcool. A campanha é consequência direta da cultura inglesa de “binge drinking” (consumo excessivo de álcool), vista nos comuns abusos cometidos nas festas e confraternizações de final de ano. Passa janeiro e praticamente não se fala mais nisso…

Médicos e outros profissionais de saúde não chegam a um consenso sobre o assunto, mas é notório que o álcool, mesmo em pequenas doses, pode ser prejudicial ao corpo.

Não ao alcolismo

Keli, que papo é esse? Você está jogando contra nosso próprio setor?

De forma alguma! Desde sempre defendo o vinho como parceiro da boa mesa, dos bons momentos – e não como parceiro de horas difíceis ou como um meio de fuga. Também, e aqui é minha opinião pessoal e não técnica, acho que um mês sem álcool e outros onze na vida louca não vão resolver sua vida.

A questão é polêmica e precisa ser abordada constantemente. Os próprios comitês de produtores têm sentido a necessidade de um posicionamento claro sobre o assunto. E sabe por quê? Segundo alguns dados coletados em diversas pesquisas pelo Courrier International, veículo francês de notícias do mundo, as novas gerações cada vez se interessam menos pelos vinhos e cada vez mais buscam bebidas sem álcool ou o consumo de álcool de forma moderada.

Ignorar esse movimento, como sabiamente notaram alguns, é temeroso. Por outro lado, mostrar-se sensível à causa cria empatia e relacionamento com essa nova geração, que inclusive pode influenciar seus pais e avós sobre o tema.

Responsabilidade é modernidade

Atento a isso, o Comitê Interprofissional dos Vinhos da Alsácia (CIVA) escolheu o final do ano para se comunicar de forma inédita a favor do consumo responsável de seus vinhos. A campanha intitulada “Tantas personalidades, em responsabilidade”, é composta por visuais que incentivam o público a “consumir menos, mas melhor Alsácia”.

Campanha Vinhos da Alsacia

“Se os nossos vinhos são assim tão limpos… não é para vê-los embaçados”

“Se nós temos 51 Grands Crus… não é para bebê-los numa só noite”

“Se nossos vinhos são tão únicos… não é para vê-los em dobro”

“O tema do consumo responsável nunca foi realmente abordado de forma ativa e enérgica na indústria vinícola francesa. Atores que realmente não sabem como apreender esses assuntos acabarão tendo dificuldades. Por outro lado, quem os agarra de forma ativa e sincera pode se destacar e garantir sua modernidade”, justifica Philippe Bouvet, diretor de marketing do CIVA.

Além de mídia impressa e displays por diversas cidades francesas, a campanha também tem espaço nas redes sociais, onde as publicações convidam os internautas a propor o seu slogan, em uma forma de conseguir interação com o público.

A campanha representa um investimento de várias centenas de milhares de euros e mostra mais uma vez quão atentos produtores e comerciantes devem estar aos movimentos e exigências sociais. Isso se quiserem ser ou permanecer grandes.

E você? Como encara essa questão no seu negócio e em seus hábitos diários?

Até o próximo mês!

Assinatura Keli Bergamo Vinhos Única

Destaques

Harmonizando vinho além da comida: quando a Syrah é em Si Menor
, ,

Harmonizando vinho além da comida: quando a Syrah é em Si Menor.

Explore combinações de diferentes estímulos, como vinho e música e amplifique sua apreciação e percepção, elevando seu prazer e entendimento.
Procura-se profissional do mundo dos vinhos
, ,

Procura-se profissional do mundo dos vinhos

Explore a jornada da transição de carreira em busca de um profissional de vinhos nesse apaixonante universo onde cada taça conta uma história.